Brasil


 Enviar matéria por e-mail

Pesquisa revela que mutação protege contra Alzheimer

Tamanho da Fonte      Agência Estado 12/07/2012 às 11:11

Pela primeira vez, pesquisadores encontraram uma mutação genética que confere forte proteção contra o Alzheimer. A descoberta, publicada nesta quinta-feira na revista científica Nature, pode orientar futuras pesquisas sobre mecanismos de prevenção e tratamento da doença, até hoje sem cura.

Caracterizado pela perda de memória, da capacidade de realizar tarefas cotidianas e pela degeneração das funções motoras, o Alzheimer se manifesta no cérebro pela presença de placas senis entre os neurônios e pela formação de emaranhados da proteína tau no interior da célula nervosa.

As placas senis são compostas pela proteína beta-amiloide. E foi no gene da proteína precursora de beta-amiloide (APP) que foi encontrada a mutação genética denominada A673T, protetora contra o Alzheimer. O estudo, liderado pelo pesquisador Kari Stefansson, da Faculdade de Medicina da Universidade da Islândia, constatou que, além de apresentar menos risco de ter a doença, os idosos portadores da mutação tiveram desempenho cognitivo superior aos demais.

O estudo também mostra que, em testes feitos em laboratório, a presença da mutação garantiu uma redução de 40% na produção da proteína beta-amiloide. Para chegar a esse resultado, os pesquisadores analisaram o genoma de 1.795 pessoas.

O grupo controle - composto por idosos com mais de 85 anos que não apresentavam declínio cognitivo - teve uma probabilidade 5,29 vezes maior de apresentar essa mutação em comparação aos portadores da doença.

Embora a mutação seja rara - estava presente em 0,62% dos idosos saudáveis e em 0,13% dos pacientes com Alzheimer - o caráter protetor contra a doença foi considerado forte.

Repercussão

Para o neurologista e geneticista David Schlesinger, do Hospital Israelita Albert Einstein, trata-se de um resultado relevante por ser a prova de que a inibição da divisão da proteína APP previne o surgimento do Alzheimer. "Essa é a evidência de que todos os tratamentos em pesquisa que são focados em inibir esse mecanismo têm grande chance de funcionar. É um resultado superinteressante, que também tem outro aspecto: ele valida a prática de sequenciar genomas para encontrar variantes relevantes para doenças comuns."

Para o neurologista Arthur Oscar Schelp, professor da Unesp, a pesquisa traz um avanço importante, porém a perspectiva de um novo tratamento com base nessa descoberta deve ser vista com cautela, já que pode demorar ainda alguns anos até que se concretize. Segundo ele, o principal trunfo do estudo foi conseguir constatar, em experimentos em laboratório, a inibição da formação da proteína APP, que leva à composição das placas senis que provocam a doença.

"Há uma expectativa de que consigam, eventualmente, achar um jeito de curar as pessoas antes mesmo de desenvolverem a doença", diz Schelp. Ele acrescenta que já existem pelo menos oito alterações genéticas identificadas que caracterizam um risco maior para o desenvolvimento do Alzheimer. Mas, enquanto não houver alternativas disponíveis para impedir o surgimento da doença nesses casos, não adianta fazer exames para obter essas informações.

Schlesinger acrescenta que os testes genéticos atualmente disponíveis nem teriam a capacidade de prever um risco maior para a doença, porque ela também depende de vários fatores ambientais e comportamentais.

Hoje, o tratamento disponível para a doença de Alzheimer é sintomático: apenas promove a melhora de algumas funções do cérebro lesadas pela doença, mas não atua na origem do problema. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.


Classificação Atual       ( 0 ) Dê a sua classificação: